quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

Religião. Do grego θρησκεία, do inglês religion...

Oi, meu nome é Pedro. Eu sou ateu. Fui criado por um pai e uma mãe, ambos criados "catolicamente". Minha mãe num convento, meu pai no interior do Rio. Engana-se quem pensa que eu fui criado pelo capeta. Minha mãe lia a bíblia toda noite pra família e me dizia que papai do céu tava olhando por mim. Por que minha mãe me criou assim? E como eu virei ateu?

Bom, minha mãe nunca acreditou em Deus, nem no convento. E nem conseguia acreditar que alguém acreditava de verdade. Ao longo de sua vida percebeu que religião era uma arma de controle populacional muito bom. Toda a história do povo temer a Deus, uau, senacional. Então resolveu fazer isso com os pestinhas que ela tinha parido. A princípio até que funcionou, mas seus filhos não eram assim tão inocentes. Falavam de Deus, papai noel e coelhinho da páscoa pra mim. Se pelo menos dois desses eu descobri que era mentira, o terceiro foi junto, claro.

Depois disso os serões da bíblia ficaram muito mais divertidos. Pois é, a gente ficava rindo dos absurdos que tinham naquele livro! Adão e Eva? Tenha dó! Sem dúvida o nosso preferido era a história de Jó. Pegar alguém e massacrar daquele modo só para ver se ele era fiel de verdade!

Com 10 anos eu vi de perto a paranóia de uns amigos de tentar me convencer da existência de Deus. Não era muito complicado já que os argumentos deles eram do nível de "quem criou as árvores?". Ria-me e perguntava como ele sabia que tinha sido Deus, e eles piravam só com essa resposta. A cabeça deles não podia lidar com o fato de não existir Deus, afinal foram criados assim.
Com o passar dos anos as brigas ficaram mais até interessantes, e isso foi um pouco antes deles começarem a me discriminar. "Sai daqui, seu ateu" virou uma frase comum pra mim. Continuavam meus amigos, mas quando não tinham argumentos pra qualquer discussão, essa era a resposta. Aprendi lidar com isso, fingia que eles eram um rebalho, onde seu pastor era um velho cego.

Passada essa fase da minha vida, eu entrava em outra: ensino médio. Lá deparei com uma babilônia de religiões. Mas era muito tranquilo porque ninguém ligava muito pro que o outro acreditava, tinham a acabeça mas aberta. Lá podíamos conversar sobre religião como pessoas civilizadas e isso mudou minha opinião sobre alguns aspectos. Eu já não achava que era um controle populacional (em alguns casos, é sim), e sim uma desesperada forma de aliviar a dor da morte e dessa devoradora curiosidade de saber o que tem depois dela.

Nunca liguei pro que as pessoas pensavam sobre isso, cada um tem a opinião e o direito de acreditar ou não em qualquer coisa. O que me revolta mesmo, o que me deixa irado (e não só a mim) são os safados que se aproveitam dessa necessidade humana de acreditar em algo e lucram com isso. Por trás de]aquela fachada bonitinha da Igreja Universal tem um pilantra montado em milhões de dólares, enquanto seus fiéis lhe entregam o suado trocado do pão.

Isso foi apenas um leve desabafo sobre coisas que estão na minha cabeça a 20 anos e que eu tinha a necessidade de soltar. Um possível capitulo da minha biografia.

4 comentários:

Léo disse...

Preconceito mata, meu jovem.

Ja ouvi varias das suas historinhas de ateu, e vc sofre tanto quanto eu o preconceito dos outros, o que é ridiculo.

Pra mim, Deus, existindo ou não, é sim uma arma de controle de mentes.

E não vem com essa de Universal não muito antes a igreja catolica ja matava em nome de Deus.

Taí, acho que a pior arma contra Deus é a religião.

Eu acredito em Deus, fiz comunhão e sempre me convidam pra ir a diversas igrejas. Mas não é la muito a minha cara entrar num lugar e ouvir alguém falar mal da religião do meu coleguinha.

E digo mais, se Deus realmente existir, e houver algum tipo de juizo final, estou certo que tu, ateu, tem muito, mas muito mesmo, mais chances de ir pro céu que muita gente que eu conheço que vive com a biblia em baixo do braço, mas com o ódio no coração.


Que Deus te abençoe.

Arth disse...

Bravo!
É realmente triste ver as pessoas ficarem completamente cegas perante uma religião, fanatismo nunca é bom...

O fato é, a religião é uma criação humana. Não adianta querer dizer qual é a mais certa só o fato de ter como base os seres humanos ela tende a ser falha.

Eu acredito em Deus, mas de uma maneira muito particular, um Deus existente em cada um.

Fui criado na religião católica e não a sigo por opção, pelo simples fato de não ver necessidade de ter quer ter um religião para poder acreditar e ter fé em Deus.

E um bom janeiro a todos.

Lucas disse...

Eu acho que se Deus é o pai de todos e fez cada um de nós, bem, a culpa é dele que me fez ateu. Ele sabia a merda que tava fazendo.

Saio, mas antes menciono Einstein, que ao final de sua vida escreveu:

“A palavra Deus para mim é nada mais que a expressão e produto da fraqueza humana, a Bíblia é uma coleção de lendas honradas, mas ainda assim primitivas, que são bastante infantis”

victor disse...

bem cara
sou espírita e acredito em deus.

não nego que algumas pessoas simplesmente não tem arghumentos para provar a existência de Deus. Acreditar nele é algo que vem de dentro. como tudo existiu? etc...

o problema é que as pessoas(em geral os ateus) pensam que nós os não ateus vemos Deus como um velinho cheio de vontade! que taca raios do céu nos hereges e abençoa creanças só pq elas são crianças.

não é bem assim...

pense em deus como a causa primária de todas as coisas... todas as leis de ação e reação e tudo mais. mas pensem em algo que a grosso modo "tende para o bem".

ta entendendo mais ou menos oq eu to querendo dizer com isso?

e a igreja universal cara... de certa forma funciona sim. sério!

imagine um cara que mora na favela, tem dois filhos e ganha 500 reais por mês. o cara fuma, bebe, cheira e tem amante. vc concorda que os filhos dele no mínimo passam fome né? ai num monmento desesperado ele entra pra universal: não pode beber, fumar cheirar e nem ter amante! vc concorda q se ele pagar 50 reais do dízimo a vida dele melhorou bastante? é Deus? também...mas é muito mais o medo de ir pro inferno que o tirou de uma vida bem ruim.

no mais, gostei muito do seu blog! pretendo visita-lo denovo.

abraço!